Lição de vida: professora da rede estadual enfrenta câncer de mama e dá aula de coragem 29/02/2024 - 21:21

“A coisa é séria, mas mês que vem eu estou de volta.” Foi dessa forma que Elizete Regina Burigo, 53, deu aos colegas do Núcleo Regional de Educação de Paranaguá a notícia de que estava com câncer de mama. Era julho de 2022, poucas horas depois de receber o diagnóstico, mal sentia o chão sob os pés, tamanho o impacto da notícia dada pelo mastologista.

Hoje, passados oito meses do tratamento contra a neoplasia, Elizete se considera uma guerreira por vencer a doença e afirma que a luta valeu a pena. Agora, está preparada para dar quantas lições de coragem os alunos pedirem.

Na última reportagem da série do Mês da Mulher, a Secretaria de Estado da Educação e a Agência Estadual de Notícias contam mais uma história de força e superação, provando que, para além das dinâmicas em sala de aula, as mulheres que atuam na rede estadual dão também exemplos de coragem, determinação e perseverança.

Elizete atua na rede estadual há mais de duas décadas. No início de 2022, com pouco mais de três anos na equipe pedagógica do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Paranaguá, vivia, segundo ela própria, um dos melhores momentos da vida. Compunha a equipe do programa Presente na Escola, que combate o abandono escolar nas instituições de ensino estaduais e tem o desafio de aumentar a frequência dos alunos em sala de aula.

“Como em todas as escolas, depois do período pandêmico a evasão de alunos despontou como um grande desafio para as entidades administrativas estudantis. A partir do intenso trabalho que desempenhamos por meio do NRE, nos primeiros oito meses depois da flexibilização do isolamento alcançamos um aumento de 15% na frequência às aulas nas escolas do litoral. Tudo estava voltando aos eixos”, lembra.

A vida pessoal corria ainda melhor. “Minha filha mais nova tinha acabado de se casar e a ocasião foi celebrada com muita alegria por toda a família. Eu estava radiante. Uma semana depois, meu filho mais velho anunciou a gestação da minha primeira neta. Era só felicidade”, afirma.

Poucas semanas depois, porém, o diagnóstico inesperado impactaria profundamente a saúde emocional de Elizete. “Meus colegas do NRE comentavam que eu estava magra demais. Quase todo dia alguém vinha perguntar se estava tudo bem com a minha saúde. Decidi fazer o check-up e, durante a ecografia, a enfermeira identificou um nódulo grande. Poucos dias depois, num exame mais aprofundado, o mastologista confirmou que era mesmo câncer”, conta.

Sozinha e receosa, Elizete conta que não se recorda de como retornou ao NRE de Paranaguá após a notícia. “Assim como todos os pacientes que são pegos de surpresa, na hora, eu fiquei no chão. Foi difícil para todo mundo. Lembro de chegar ao Núcleo e dizer que eu precisaria de alguns dias, o que prova que eu não tinha ideia do tempo que levaria o tratamento”, lembra a professora, que contou com apoio total dos colegas para agendar exames em Curitiba e também para dar a notícia à família.

RECUPERAÇÃO – Depois da notícia, o que mais temia era a quimioterapia. "Quando os médicos disseram que eu teria que recorrer ao tratamento químico, foi um novo choque”, afirma. Após as primeiras sessões do tratamento, no entanto, Elizete percebeu que, apesar dos efeitos colaterais, ânimo e positividade não lhe faltavam.

“Eu não me sentia doente. Não tive medo de morrer. Vi que era possível viver a vida, apesar do tratamento. No entanto, algo ainda me amedrontava: a hora que meu cabelo começasse a cair”, conta.

Com o passar das sessões, Elizete tirou de letra o inevitável efeito colateral. “Depois de sofrer com a ideia de perder o cabelo, achei que raspar seria mesmo a melhor escolha. Encontrei forças e, de alguma forma, me convenci de que tudo aquilo iria passar”, comenta.

O processo foi longo, porém repleto de aprendizado. Segundo Elizete, a ansiedade inicial em apressar o processo foi substituída por doses diárias de esperança e paciência. “Eu via casos de mulheres que seguiam com a rotina de trabalho em pleno tratamento. São histórias admiráveis e relutei muito em me afastar do trabalho. Para mim, no entanto, essa foi a melhor decisão. Cada caso é um caso e, no meu, descansar e focar na recuperação foi importante”, diz.

Comuns entre pacientes de câncer, picos de pânico e depressão representam uma das partes mais difíceis no enfrentamento à doença. Segundo dados publicados pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de 31% dos pacientes diagnosticados sofrem com transtornos depressivos associados ao quadro. Com Elizete não foi diferente.

Mas ela afirma que recordar a trajetória profissional e pensar na neta recém-nascida foram o combustível de que precisava para persistir. “Todos os dias eu pensava em voltar ao trabalho. Ser educadora é fazer parte da história do aprendizado e da vida dos alunos. É a partir da sala de aula e do processo educacional que o estudante decide os rumos da vida e, para mim, integrar esse processo é uma vocação. E minha missão não tinha acabado. Pensar nisso e na minha vida como avó foi o que me impulsionou a seguir em frente”, revela. 

Hoje, faltando pouco para o fim do tratamento, Elizete comemora. O quadro está limpo para uma nova história. Praticamente livre da rotina de quimioterapia e remédios fortes, a professora incentiva as mulheres a ficarem atentas à saúde. “Muita gente pensa que o câncer de mama só atinge mulheres mais velhas ou com antecedentes genéticos. Na verdade, a doença atinge mulheres de todas as idades, sendo apenas 5% dos casos decorrentes do fator genético”, alerta.

Neoplasia mais comum entre mulheres em todo o mundo, o câncer de mama acomete milhares de pessoas anualmente. Segundo dados do Inca, estimam-se mais de 57 mil novos registros da doença a cada ano no Brasil. Segundo o instituto, mulheres a partir dos 50 anos são mais propensas a desenvolver a doença, porém isso tem mudado. Na última década o número de mulheres com menos de 35 anos acometidas pela neoplasia aumentou significativamente, representando cerca de 5% do total de novos casos.

"É importante cuidar da saúde sempre. E se a doença chegar, é preciso pensar que o tratamento passa, a vida continua e, no final, saímos melhores depois da tempestade”, finaliza. 

No fim das contas, depois das duas tempestades seguidas (pandemia e câncer), ela se sente preparada para voltar, assim como aqueles alunos que eventualmente deixaram os estudos. Nessa improvável prova de vida, sua nota foi 10.